Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Sem Sentido

Um blogue sem sentido... de humor!

20
Nov17

Pronominalização: Muito mais do que um palavrão!

Pronominalização.jpg

 

Pronominalização: mais do que um palavrão, um conjunto de regras gramaticais para a correta articulação e colocação de verbos com pronomes.

 

«Amarei-te para todo o sempre!» – se a vossa namorada é (literalmente) um avião e vocês a amararam no meio de um oceano «para todo o sempre», fizeram bem ao dizê-lo (i.e., gramaticalmente, a articulação do verbo «amarar» no pretérito perfeito do indicativo – «amarei» – com o pronome átono «te» está correta). Ao invés, se a vossa namorada não é um avião, fizeram mal, literalmente ao dizê-lo, metaforicamente ao fazê-lo.

 

«Amar-te-ei para todo o sempre!» – se o disseram à vossa namorada porque acham que a vão amar «para todo o sempre», fizeram muito bem ao dizê-lo (i.e., gramaticalmente, a articulação do verbo «amar» no futuro do indicativo – «amarei» – com o pronome átono «te» está correta). Ao invés, se acham que não a vão amar «para todo o sempre» e só o disseram porque (metaforicamente) a vossa namorada é um "avião" e queriam ir para a cama com ela, fizeram mal, muito mal até, não literalmente e/ou gramaticalmente, porque a frase está correta, mas moralmente, porque os vossos princípios estão errados.

 

Feita esta breve introdução, seguem-se as principais regras da pronominalização no que diz respeito à correta articulação de verbos com pronomes:

 

1 – Quando a forma verbal termina em vogal, o pronome não sofre alterações.

 

Eu amo a Maria.Eu amo-a. [amo-naamo ela]

 

2 – Quando a forma verbal termina em «r», «s» ou «z», estas consoantes caem e o pronome pessoal passa a ser «-lo», «-la», «-los», «-las».

 

Prometo amar e respeitar a Maria para todo o sempre. Prometo amá-la e respeitá-la para todo o sempre. [amar-na e respeitar-na]

 

Nós sabemos que o mais difícil não é casar.Nós sabemo-lo. [sabemos-no]

 

Eu fiz o pedido. → Eu fi-lo. [fiz-no]

 

3 – Se a forma verbal terminar em «m» ou em ditongo nasal («õe» ou «ão»), o pronome tomará as formas «-no», «-na», «-nos», «-nas».

 

Eles sabem que o mais difícil não é casar.Eles sabem-no. [sabem-lo]

 

Ela põe o marido na linha.Ela põe-no na linha. [põe-o]

 

4 – Quando a forma verbal está no modo condicional, o pronome coloca-se entre o radical do verbo e as terminações verbais «-ia», «-ias», «-ia», «-íamos», «-íeis», «-iam»). No entanto, como o radical termina em «r», este cai e o pronome ganha um «l», transformando-se em «-lo», «-la», «-los», «-las».

 

Eu levaria o vestido da mãe se ele me assentasse na perfeição.Eu levá-lo-ia se ele me assentasse na perfeição. [levaria-no | levaria-o]

 

Nós convidaríamos todos os nossos amigos se eles não fossem muitos.Nós convidá-los-íamos (a todos) se eles não fossem muitos. [convidariamo-los]

 

5 – Quando a forma verbal está no futuro, o pronome coloca-se entre o radical do verbo e as terminações verbais «-á», «-ás», «-á», «-emos», «-eis», «-ão». No entanto, como o radical termina em «r», este cai e o pronome ganha um «l», transformando-se em «-lo», «-la», «-los», «-las».

 

Nós faremos a nossa lua-de-mel num cruzeiro.Nós -la-emos num cruzeiro. [faremo-la]

 

Eles terão filhos muito bem-educados. → Eles -los-ão muitos bem-educados. [terão-os]

 

6 – Quando a frase está na negativa, o pronome vem antes do verbo, sem sofrer alterações, tal como nalguns casos em que a frase está na forma interrogativa.

 

Achas que ele ama a Maria?Achas que ele a ama? [ama-a]

 

Ele não demonstra que a ama.Ele não o demonstra. [demonstra-o]

 

Casos especiais: Sempre que, na frase, se encontrem em contacto duas formas de pronome pessoal – complemento direto e indireto –, elas contraem-se formando uma só palavra, seja qual for o tempo verbal.

 

Ele ofereceu um anel de noivado à Maria.  → Ele ofereceu-lhe um anel de noivado.Ele ofereceu-lho. (lhe + o = lho)

 

Nós oferecemos-te o vestido.Nós oferecemos-to. (te + o = to)

 

No que diz respeito à correta colocação de verbos com pronomes, os pronomes átonos «me», «te», «se», «o», «a», «os», «as», «lhe», «lhes», «nos», «vos» podem vir antes, depois ou no meio do verbo:

 

  • Próclise: o pronome vem antes do verbo.

 

Ele não o demonstra.

 

  • Ênclise: o pronome vem depois do verbo.

 

Eu amo-a.

 

  • Mesóclise: o pronome vem no meio do verbo.

 

Nós -la-emos num cruzeiro.

 

A colocação de verbos com pronomes átonos deve respeitar as seguintes regras:

 

1 – Regra geral, a conjugação pronominal deve ser feita através da ênclise ou da mesóclise, sendo que nunca devemos começar uma frase com um pronome átono.

 

Amarás a Maria para todo o sempre?Amá-la-ás para todo o sempre? [a amarás]

 

Não obstante, há palavras e/ou expressões que exigem que o pronome seja colocado antes do verbo:

 

i) palavras com sentido negativo: não, nunca, jamais, ninguém, nada, nenhum, nem,…

 

Ele demonstra-o.Ele não o demonstra.

 

Ele ofereceu-lho.Ele não lho ofereceu.

 

ii) advérbios (sem vírgula): aqui, ali, só, também, bem, mal, hoje, amanhã, ontem, já, nunca, jamais, apenas, tão, talvez, etc.

 

Ontem lhe entregaram flores. [entregaram-lhe]

 

Com a vírgula, utiliza-se a ênclise:

 

Ontem, entregaram-lhe flores. [lhe entregaram]

 

iii) pronomes indefinidos: todo, tudo, alguém, ninguém, algum,...

 

Nós falámos e tudo se esclareceu. [esclareceu-se]

 

Alguma coisa se passou para ele não ter vindo jantar. [passou-se]

 

iv) pronomes ou advérbios interrogativos (o uso destas palavras no início da oração interrogativa atrai o pronome para antes do verbo): «O que… ?», «Quem… ?», «Por que…?», «Quando… ?», «Onde… ?», «Como… ?», «Quanto…?».

 

Quem te disse que eles querem casar? [disse-te]

 

v) pronomes relativos: que, o qual, quem, cujo, onde, quanto, quando, como.

 

Quando mo disseram já eu o sabia. [disseram-mo]

 

vi) conjunções subordinativas: que, uma vez que, já que, embora, ainda que, desde que, posto que, caso, contanto que, conforme, quando, depois que, sempre que, para que, a fim de que, à proporção que, à medida que, etc.

 

Caso ele se arme em esperto, eu sei muito bem o que fazer. [arme-se]

 

2 – Não colocar pronomes átonos após o particípio

 

O correto é analisar cada situação para observar o lugar adequado, mas nunca após o particípio.

 

Eu tinha-o convidado para jantar, mas ele não disse que não podia. [convidado-o]

 

Nota: Na língua portuguesa, a palavra «se» pode ser conjunção ou pronome átono e há situações em que ambos podem muito corretamente aparecer na mesma construção, cada um exercendo seu papel.

 

Quando eu o vi na rua, ele não sabia se se escondia ou se fugia. [escondia-se]

 

3 – Não colocar pronomes átonos após verbos conjugados no futuro do indicativo

 

A depender do caso, caberá a mesóclise ou a próclise, mas nunca a ênclise quando os verbos estão no futuro do indicativo.

 

Eles farão a lua-de-mel num cruzeiro. → Eles -la-ão num cruzeiro. [farão-a | farão-na]

 

Eles terão filhos muito bonitos. → Eles -los-ão muito bonitos. [terão eles | terão-lhes]

 

Dito isto, é bom que o(s) futuro(s) pretendente(s) da minha filhota saiba(m) se expressar da melhor forma possível, caso contrário, vamos ter sérios problemas de comunicação. Aliás, se depender de mim, só se casa com ela se souber falar português. Se for mulher, leva vantagem!

 

Sigam-me

Subscrever blogue

Subscrever...

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Facebook

YouTube

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D