Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Sem Sentido

Um blogue sem sentido... de humor!

01
Mar20

Fui andar de autocarro... com os meus filhotes!

Autocarros.jpg


Hoje, pela primeira vez, eu e a minha esposa levámos os nossos dois filhotes a andar de autocarro e a reação deles não poderia ter sido melhor. E a nossa também não. Parecíamos pessoas do campo que nunca tinham ido à cidade nem visto o mar. Na verdade, parecia até que nunca tínhamos andado de autocarro. Adorámos tanto que eu já não penso noutra coisa...

 

Hoje, dia 1 de março de 2020, vai ficar para a história dos meus filhos. Para a dos meus filhos e a minha e da minha esposa também. Pela primeira vez, eu e a minha esposa levámos os nossos filhotes a andar de autocarro. Não foi uma viagem por necessidade. Foi uma viagem por lazer. Há muito que eu dizia à minha esposa que devíamos levar os nossos filhotes a andar de autocarro, mas só hoje é que isso aconteceu.

 

[Sim, eu sei: Andar de autocarro com duas crianças numa altura em que toda a gente quer evitar sair à rua por causa do «novo coronavírus» é uma verdadeira loucura, mas eu queria fazer isto antes que o mundo acabasse...]

 

Eram oito horas da manhã quando nos levantámos. Vestimo-los, vestimo-nos e saímos de carro até o centro comercial mais próximo para deixarmos o carro a lavar e darmos início à nossa aventura. Dentro do centro comercial, numa tabacaria, comprámos dois cartões com duas viagens para cada um e lá fomos nós para a paragem mais próxima. O relógio marcava 10h05 da manhã quando a minha filhota de três anos esticou o braço e mandou parar o autocarro «lalhanja». Eu, que de nós os quatro era quem mais tinha experiência a andar de autocarro, entrei em primeiro lugar para validar os cartões. Onde é que eu tentei validar os cartões de viagem? No visor. Uma e outra vez, até o condutor me indicar que o sensor era um pouco mais abaixo. Depois de libertar um pequeno sorriso (idiota), lá entrei eu a correr de mão dada com a minha filhota para me sentar onde? Nos bancos de trás, claro. Naqueles que ficam mais altos e nos permitem fazer caretas para as pessoas que vêm nos carros atrás do autocarro.

 

[Não, não fizemos caretas para quem vinha atrás, mas só porque a minha filhota não se quis pôr de joelhos em cima do banco, de costas voltadas para o condutor. Aliás, o facto de a mãe não ter concordado é bem capaz de ter contribuído para que ela não o tenha feito...]

 

No início, tanto a minha filhota de três anos como o meu filhote de um ano e oito meses, pareciam estar muito pensativos, em silêncio, talvez a tentar perceber o que é que os pais lhes estavam a tentar fazer. Talvez estivessem a pensar que era um castigo por estarem constantemente a fazer birras...

 

– Gostas mais de andar de autocarro ou de andar no carro do papá?

– No carro do papá...

 

Ainda era nuito cedo – e tudo muito estranho – para aqueles dois pequenos seres que estavam habituados ao conforto de um carro. Mas se eu teimava em tentar animá-los – de forma bastante ostensiva – para que aquela fosse uma experiência memorável, eis que alguém teimava em fazer o contrário, não tinham passado três minutos que estávamos dentro do autocarro:

 

– Já estou a ficar maldiposta... Acho que vou sair na próxima paragem.

 

De quem foi este comentário? Da minha esposa, claro. De quem mais haveria de ser?!... Da minha filhota, o seu primeiro comentário não poderia ter sido melhor:

 

– Eu saltei...

– Sim, o autocarro deu um salto. Tu gostaste?

– Simmmm... Eu que'lho mais...

 

[Só para terem noção do quanto a viagem de ida foi divertida: até o senhor que ia sentado na cadeira da frente virou para o lado e se estatelou no chão quando o autocarro estava a fazer uma curva dentro de uma rotunda.]

 

E lá fomos nós entre saltos e curvas, a apontar para os carros, os edifícios, as pessoas,... a apontar e a falar sobre tudo o que nós víamos – mais eu do que a minha esposa e os meus filhotes –, mais parecíamos pessoas do campo que nunca tinham ido à cidade nem visto o mar.

 

– Sebastião, olha o mar. 

– Mar... Mar... Mar...

– Ei... Ei... Ei... Ei... Ei... Ei... Ei... 

 

[Só para que conste: Os últimos gritos deste diálogo foram meus...]

 

E vinte minutos bastaram para que a minha filhota dissesse que já não queria sair do autocarro. Contrariada, saiu, mas com a promessa de que iríamos regressar de autocarro. Tomámos o pequeno-almoço na pastelaria de sempre e:

 

– Quem quer andar de autocarro?

– Eu, eu, eu,...

– Let's go... 

 

No regresso, infelizmente a diversão já não foi tanta, muito por culpa do condutor:

 

– Papá, o autocarro não está a dar saltos...

– Pois, filha. Agora não é uma senhora a conduzir. É um senhor...

 

Enfim, pior do que aquela condução, só mesmo o cheiro que se fez sentir minutos antes de sairmos, mais parecia que estávamos a passar junto a uma ETAR...

 

– Está a cheirar mal... – disse a minha esposa, em voz alta, como se não soubesse que as pessoas dão "puns" dentro dos autocarros.

 

Ainda assim, nada que estragasse aquela que, muito provavelmente, foi a viagem mais divertida em família desde que somos pais. Aliás, adorámos tanto que eu já não penso noutra coisa:

Alguém quer comprar um Renault Clio de 2007? Está lavado de fresco, parece novinho em folha...

 

data-mobile="true">

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Sigam-me

Subscrever blogue

Subscrever...

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Facebook

YouTube

Água no bico

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Blogs Portugal